Garota Infernal merece mesmo todo o hate que recebe?

Garota Infernal foi duramente criticado na época de seu lançamento, em 2009. Já em 2021, o longa conquistou um status cult e levantou a questão do que causou seu fracasso anos atrás.

Garota infernal, no original Jennifer’s Body, foi um filme de terror lançado em 2009 e dirigido por Karyn Kusama. Na época de seu lançamento, o longa recebeu várias críticas negativas, mesmo que, já em 2021, esteja conquistando um status cult entre os amantes do terror. A pergunta que fica é: Será que vale a pena dar uma nova chance à produção e o que foi que deu errado no período de sua estreia?

Sinopse do filme:

Ao ser possuída por um demônio, a estudante Jennifer se torna muito brava com os rapazes que nunca a deram uma chance. Enquanto a maldosa Jennifer satisfaz seu apetite com carne humana de meninos da escola, sua amiga nerd Needy descobre o que está acontecendo e promete colocar um fim na carnificina.

Visão das criadoras:

Kusama e a roteirista da história, Diablo Cody (conhecida pelo roteiro de Juno), envisionaram uma trama focada em jovens garotas, onde estas não apenas se sentissem representadas, mas também pudessem assistir um filme de terror onde elas realmente se enxergassem na tela. Megan Fox, que interpretou a adolescente Jennifer, é uma personagem sensual e confiante, embora o longa nunca foque na sexualização de seu corpo. Mesmo quando ela aparece nua, a câmera não mostra seu corpo, para que o espectador entenda o que está acontecendo, mas não foque no fato de uma mulher estar nua na tela.

A personagem de Megan Fox aparece nua, mas não possui cenas explícitas

Até mesmo em uma das cenas mais icônicas da produção, onde Jennifer caminha em uma minissaia e moletom pelo corredor da escola, a câmera foca, principalmente, no rosto da personagem, dispensando a clássica filmagem de cima para baixo do corpo da mulher.

Outro detalhe interessante é que a personagem supostamente promíscua, Jennifer, utiliza um vestido branco na formatura do colégio, enquanto a sua inocente amiga, Needy, opta por um look vermelho, contradizendo o esperado pelos clichês de Hollywood.

Há também algo de diferente nas vítimas de Jennifer, que são sempre garotos que a desejam por seu corpo e a veem como um objeto. Jennifer não é morta nos primeiros minutos do filme por estar dormindo com alguém, como ocorre em muitos filmes do gênero, mas sim torna-se um ser mais poderoso por conta disso. Ela sobrevive justamente por não ser virgem.

Garota Infernal é um filme feito por mulheres e para mulheres, que pega cada clichê hollywoodiano sexista e joga pela janela.

O que deu errado no lançamento da produção?

Contrariando a proposta do longa, o marketing da produção foi focado inteiramente no público masculino. Uma das produtoras conta que, ao perguntar o que deveria fazer para promover o filme, recebeu da equipe de marketing a seguinte resposta: “Megan Fox gostosa”.

E assim foi feito. Os cartazes traziam a protagonista em roupas extremamente curtas e, em alguns, ela utilizava um uniforme de líder de torcida minúsculo e completamente diferente do utilizado no longa. Vale a pena ressaltar que, muitas vezes, eles pegaram a mesma foto de Megan Fox e a editaram com roupas diferentes, criando diversas imagens promocionais com estilos que não estariam presentes na obra final.

Como resultado, a audiência para o qual o filme foi feito e a audiência presente nos cinemas era composta por dois nichos completamente diferentes. Enquanto a intenção era trazer jovens garotas para o cinemas, o marketing acabou conquistando o público masculino heterossexual, que estava sedento para ver Megan Fox em roupas curtas. As meninas passavam longe das sessões de Garota Infernal, imaginando se tratar de mais uma produção objetificando adolescentes, e os caras saiam decepcionados, já que não haviam peitos e bundas suficientes nas telonas, só uma demonia que, mesmo aparecendo pelada, não mostrava os peitos.

O filme acabou afundando completamente e sendo considerado um fracasso de bilheteria, conseguindo apenas 45% de aprovação da crítica no Rotten Tomatoes e 35% do público. Era um final triste para uma obra incrível… ou será que não?

O renascimento de Garota Infernal e o meu veredito:

A popularização dos serviços de streaming e consequente renascimento de filmes que estavam, outrora, caindo no esquecimento, levou muitos amantes de filmes trash a darem uma chance para Garota Infernal. Imaginem, então, a surpresa dos jovens ao descobrirem que o filme era, na realidade, muito bom!

A obra se tornou um clássico cult e algumas análises recentes chegam a defini-lo como à frente de seu tempo. Um filme de terror sobre a amizade entre duas garotas e uma adolescente matando garotos que a vejam como um objeto, em 2009, foi realmente diferente e, se fosse lançado nos dias atuais e com um marketing adequado, não posso deixar de pensar que ele seria aclamado.

Mesmo assim, não tome minhas palavras como lei e confira por si mesmo. Esse ícone está disponível no Star+ e no Telecine Play.

Anna Luíza Mosson
Anna Luíza Mosson Estudante e geek, você provavelmente pode me encontrar jogando videogame, vendo séries e filmes ou lendo algum livro. Vida longa e próspera!