Crítica – “Contos do Amanhã”, uma distopia brasileira curiosa

O longa de fantasia é ambientado em Porto Alegre -RS e apresenta uma utopia interessante.

Contos do Amanhã
Reprodução/Internet

A nova ficção científica brasileira “Contos do Amanhã” é um longa de fantasia que envolve contraste de realidades diferentes. O filme é dirigido por Pedro de Lima Marques e chegou aos cinemas no começo de deste mês. A obra é ambientada em Porto Alegre – RS e traz uma narrativa intrigante e curiosa.

No ano de 1999, Jeferson recebe arquivos de áudio pela internet que informam sobre um acontecimento que está prestes a acontecer no futuro distante de 2165. O estudante do ensino médico fica sabendo que Michele Medeiros será sequestrada e que uma guerra pela cidade-estado Porto Zero Um se iniciará. No futuro, a cidade é uma das poucas sobreviventes dos efeitos climáticos que reduziram a humanidade a 1/5 e Jeferson é o único que pode mudar os fatos.

No início do filme você consegue captar bem uma realidade comum de um jovem na escola. Com dramas naturais de um garoto da adolescência em uma vivência estudantil, a trama surpreende o telespectador nas cenas seguintes, apresentando um contexto utópico. Há um choque de realidades com os anos 90 e a utopia de 2165.

A história de Jeferson é apresentada de maneira simples e aos poucos, após ele ouvir e entrar mais no mundo das fitas, os acontecimentos passam a ter uma conexão muito forte entre as duas realidades. Dessa forma, a trama tenta explorar uma realidade tecnológica de cidades-estado, em que apenas quatro sobraram. O contexto é bem parecido com o universo de Jogos Vorazes e Divergente, entretanto há uma originalidade com uma estética diferente e novas figuras.

É possível encontrar algumas reflexões intrínsecas na narrativa, como o questionamento quanto a ideia de igualdade social. Através do experimento mostrado no longa, é visto que esse ideal funciona por um tempo, mas que as características do próprio ser humano interferem negativamente na constância igualitária.

Outro pensamento levantado se refere a robotização das pessoas. As rotinas que permanecem as mesmas são brevemente questionadas no contexto dos jovens e da realidade paralela que Jeferson vive. Nesse sentido, o filme apresenta um bom plot com o professor, Jeferson e a amiga Bia.

Por outro lado, o enredo tem uma ideia interessante, que não é bem desenvolvida pela brevidade do filme. Em apenas 1h25 não é possível compreender todos os detalhes da narrativa, muitos acontecimentos são explicados rapidamente e a estrutura da história é muito densa, mas pouco elaborada. Por esse motivo, há muitos momentos que o enredo parece confuso e demanda muita atenção do público para compreender alguns detalhes.

“Contos do Amanhã” é um filme brasileiro que tem elementos de uma superprodução que corresponde a proposta de uma ficção nacional. O filme é curioso e intrigante e leva o público a fazer reflexões e pensar na realidade que nosso país se encontrará nos próximos anos. No entanto, o longa se perde na explicação de alguns acontecimentos.

Nota

Avaliação: 3 de 5.

Isabella Rocha
Isabella Rocha Redatora, produtora de conteúdo, uma garota que ama séries, filmes, livros e música e fala muito sobre histórias. A minha história está lá no Instagram (@bellaisarocha)!