Olivia Rodrigo e Alanis Morissette posam juntas e falam sobre o poder da raiva e a vida aos olhos do público

As artistas estãp na edição especial da Rolling Stones

Olivia Rodrigo e Alanis Morissette
Olivia Rodrigo e Alanis Morissette

Desde que Olivia Rodrigo se tornou a estrela que conhecemos após o lançamento do smash hit ‘Drivers license’ em janeiro, certamente ouvimos ela citar várias de suas influencias, Lorde, Paramore e claro sua inspiração Taylor Swift, mas ela também citava alguém que talvez tenhamos deixado passar, mas que foi uma fonte essencial para seu debut álbum ‘Sour‘: Alanis Morissette.

Dito isto, as artistas estampam a nova capa da Rolling Stones para o especial ‘Musicians on Musicians’, no qual dois artistas, normalmente um mais velho e outro mais novos, falam sobre música.

Adoro como você é tão honesto e fala sobre coisas que normalmente não são faladas na composição”, diz Rodrigo, cujo álbum, Sour, é um dos mais difundidos do ano por uma margem saudável. “Bem, você está fazendo o mesmo”, responde Morissette, que está em turnê para comemorar o 25º aniversário do Jagged Little Pill. “Estou animada. Eu desci muitas tocas de coelho sabendo que iria conhecê-la”.

Oh, meu Deus”, Rodrigo diz. “Eu vou corar“.

Olivia relembra quando ouviu o álbum de Alanis, “Eu me lembro de ter ficado louco quando tinha 13 anos. Eu estava no carro com meus pais ouvindo Jagged Little Pill . Lembro-me de ouvir “Perfect e disse: “Oh, meu Deus”. Eu disse ao meu professor de música alguns dias depois: “Você pode escrever músicas assim?” Eu apenas olhei para a música e a composição de uma maneira completamente diferente“.

Sobre compor ela também conta sobre composição e enfatiza o fato dela sentir que quando compõe e lança, aquilo não é mais dela, mas sim das pessoas. Rodrigo concorda dizendo:

Tento escrever todos os dias. Eu sou do mesmo jeito: escrevo apenas para mim. Eu acho que se eu tentasse sentar ao piano e ficar tipo, “Eu vou escrever uma música que todo mundo goste e que ressoe com as pessoas!” nunca é bom. Tenho tentado lançar músicas e perceber que não são mais minhas. Eu não posso te dizer quantas músicas eu escutei e fiquei tipo, “Oh, meu Deus, aquele artista escreveu totalmente para mim e para minha situação,” e eles nunca o fizeram. Você sabe o que eu quero dizer?

Por volta dos 22, parei de ler tudo porque não era realmente relevante para o meu crescimento e evolução pessoal. Eu tinha muitas pessoas ao meu redor que apontavam os pontos cegos, quer eu quisesse ou não. E eu adoro terapia, então sempre tive uma equipe enorme de terapeutas. Mas no final do dia tornou-se “Por quem me sinto visto?“, diz Alanis.

Olivia Concorda dizendo, “Tive uma experiência muito parecida. Lançar música na era das redes sociais pode ser realmente assustador, e acho que as pessoas consideram as mulheres jovens um padrão incrivelmente irreal. Eu segui o mesmo caminho que você e simplesmente não olhei para ele. Não acho que alguém deva olhar para essas coisas. Não acho que nós, como seres humanos, devamos saber o que milhares de pessoas pensam sobre o que vestimos ou o que dizemos ou como falamos. Acho que ter essa separação é muito importante – perceber que essa não é a vida real, entende o que quero dizer? Esse mundo que é criado online, é apenas uma faceta desta grande existência humana“.

Ao serem perguntadas sobre o fato delas terem atraído tantos fãs com um álbum de termino, Morissette diz: “Acho que amor, raiva e dor são energias que movem mundos. Eles abrem as coisas, eles começam a mover as correntes novamente se algo está preso. Se estamos deprimidos ou crivados de ansiedade – e eles geralmente andam de mãos dadas – a fim de nos afastarmos um pouquinho disso, talvez conjurar um pouco de raiva ajude. O que eu amo que minha música seja capaz de proporcionar é apenas essa intimidade, e é um convite para nossa humanidade. Existe toda essa corrente do que é ser humano que é esquecida pela cultura. Digite a música. A música é uma concessão gigante para qualquer coisa complicada, linda, luminosa e aterrorizante que está acontecendo. É como um botão de permissão“.

Eu acho que o desgosto é tão universal – o sentimento que muitos humanos sentem mais profundamente. Nunca senti uma tristeza tão profunda quanto quando estava realmente, verdadeiramente com o coração partido e arrasado. Lançar a “drivers license” foi uma experiência única porque vivi um tipo de vida estranha. Eu cresci no set e não fui para a escola como todo mundo fazia. Eu estava tipo, “Minhas músicas vão ser identificáveis?“, diz Olivia que conclui, “E quando eu lancei a “drivers license”, sobre esse momento realmente difícil da minha vida, eu vi isso afetar muitas pessoas, independentemente da orientação sexual, sexo ou idade. Haveria caras de 40 anos que viriam até mim e diriam: “Uau, isso realmente me impressionou.” Mesmo que eles não estivessem passando por uma situação como essa, eles diziam: “Oh, isso me leva de volta ao tempo em que eu estava no colégio e passei por minha primeira dor de cabeça”. Isso foi tão mágico para mim, não só ver o quão universal aquele sentimento era, mas também o quão mágica a música pode ser e pode levar você de volta a um ponto específico no tempo. Você pode ouvir tudo e provar tudo e cheirar tudo, e isso é tão único na música“.

Confiram a entrevista completa aqui

Leonardo Nascimento
Leonardo Nascimento Redator, estudante de publicidade e propaganda, fortalezense e amante de música pop.