Veja como a música conquistou os e-Sports

Nos últimos anos, muita coisa aconteceu no cenário gamer, incluindo nos eventos esportivos.

Imagem de RODNAE Productions em Pexels

Difícil pensar atualmente em jogos silenciosos. Desde a década de 1970, os games têm som, e é exatamente isso que faz a experiência ser mais imersiva. O primeiro exemplar sonoro foi o Pong. Mas de lá para cá muita coisa mudou!

Quem não lembra, por exemplo, das vinhetas da Sony? Além dos sons que os personagens fazem, há ainda músicas que embalam jogos e eventos competitivos. O site de eSports bets Betway pesquisou sobre o tema e descobriu até quais são as tendências. Veja só!

Do rock para o trap

Na década de 1990, as melodias ganharam impulso depois do primeiro Gran Turismo. Lançado em 1997, o jogo tinha trilha sonora do japonês Masahiro Andoh e canções de David Bowie, Placebo, Blur e Garbage. Dois anos mais tarde, a franquia também não deixava a desejar com Hole, Moby, Stone Temple Pilots e The Cardigans.

Anos mais tarde, o GTA San Andreas permitiu que os jogadores ouvissem rádio enquanto dirigiam os carros do jogo – afinal, a ideia era criar um cenário bastante verídico, né? Em seguida foi a vez do Guitar Hero conquistar o público que adora games e música.

Até o começo dos anos 2000, o rock dominava os consoles. Mas foi só um novo estilo de popularizar para ganhar espaço no e-Sport!

O trap nasceu no começo dos anos 2000 em Memphis, no Tennessee – Estados Unidos. Porém, o ritmo, que é um subgênero do rap, só estourou de vez em 2013, se tornando um dos mais populares entre adolescentes a partir de 2017.

Gêneros musicais abraçados pelos jogos eletrônicos

Nos últimos anos, muita coisa aconteceu no cenário gamer, incluindo nos eventos esportivos. Veja alguns exemplos de como a música invadiu os jogos, segundo dados publicados pela Betway:

  • – Mano Brown e MC Jottapê: em 2019, o palco do Mundial de Free Fire recebeu um show único com direito a piadas sobre os campers do Battle Royale da Garena;
  • – DJ Alok: se tornou um personagem do game Free Fire;
  • – Far From Alaska: banda de rock brasileira fez a abertura na decisão entre Flamengo e-Sports e INTZ e-Sports em 2019;
  • – Travis Scott: também em 2019 o trapper fez uma apresentação online em um evento para fãs de Fortnite;
  • – Emicida: na final do CBLOL 2018, o rapper decidiu uma música ao League of Legends;
  • – The Fat Rat: o DJ teve sua música tocada em todos os intervalos na final da ESL One Cologne de Counter Strike Global Offensive.

Como se percebe, o trap é a grande sensação da vez e poderá continuar assim pelos próximos anos. Até porque, é um ritmo novo, que logo conquistou os mais jovens e, claro, tem tudo a ver com o clima dos jogos!

Vitor Cayres
Vitor Cayres Fundador, formado em Publicidade e Propaganda, paulista e, enquanto não consegue ir para Marte, acredita que um dia teremos respostas sobre as origens dos Aliens.