Críticas

Pandemia afeta o desempenho brasileiro no Festival Cannes Lions 2021: confira motivos e os destaques dessa edição

O Festival Cannes Lions 2021, também conhecido como Oscar da Publicidade, ocorreu pela primeira vez de maneira remota em junho. Com tantas mudanças, confira o rendimento do Brasil nesse ano.

  Isabella Rocha    terça-feira, 06 de julho de 2021

Reprodução/Internet

O Brasil teve uma queda no número de premiações no Festival Cannes Lions 2021, que ocorreu pela primeira vez de forma totalmente remota nos dias 21 a 25 de junho. O Festival Internacional de Criatividade, conta todos os anos com os melhores aspectos da comunicação criativa, interações e conexões no mundo publicitário. Nesse ano, com a mudança do formato, os quase 80 mil participantes sentiram falta das trocas de ideias e da interação humana.

O Brasil teve seu pior rendimento em oito anos, sendo que conquistou 68 Cannes no festival. Esse fato pode ser explicado pela diminuição de inscrições, comparadas a última premiação do evento em 2019 – em 2020 o Cannes conteve apenas palestras – o número de inscritos caiu para 30% e de premiações diminuiu em 20%. Isso se deve principalmente pelos efeitos da pandemia, como a crise econômica, que levou as agências a priorizarem outros aspectos e se preocuparem menos com as competições.

Arthur Lencina da Veiga, CEO e fundador da agência Euro, comenta sobre essa situação: “a distância e o alto custo afastam. Não falta criatividade ou talento para o Brasil”, ele também afirma que o formato digital dificultou a troca de experiências e o contato físico entre os profissionais.

Reprodução/Internet

Apesar das mudanças, o Brasil se consagrou com 68 Leões: 13 Ouros, 3 GPs, 18 Pratas e 34 Bronzes. Esses prêmios foram distribuídos por 17 agências e uma produtora de som brasileira. A agência VMLY&R fez história na edição, conquistando para o país o primeiro GP de Glass, além disso ela ganhou 1 Leão de Ouro, 4 de Prata e 3 de Bronze.

A agência África também se destacou na premiação, conquistou um Leão de Bronze em uma campanha para a Associação Brasileira de Psiquiatria, um GP de Entertainment Lions for Sports com “Salla 2032” para a House of Lapland e um de Prata com o case “Go Equal Movement”. O grande destaque da agência se deve aos 21 prêmios conquistados nessa edição.

O país conquistou um Leão de Ouro com a Almap, em uma campanha de Alpargatas feita na Semana de Moda em Nova York. A mesma também conquistou dois Leões de Bronze com “Mars e Doritos”.

Na área farmacêutica (Pharma) o país conquistou prata para Havas Health & You/IDVerse e bronze para TracyLocke Brasil (Pfizer). Já em Design, o Brasil ganhou dois bronzes: Africa/Unesco e Wunderman Thompson/Ford. Além disso, no Entretenimento o país conquistou um GP com “Parada no Feed”, da GUT São Paulo para Mercado Livre. A única categoria que não houve nenhuma premiação brasileira foi em Health & Wellness (saúde e bem-estar).

 


Relacionados