Música

Não esperem grandes shows e festivais até 2022, diz fundador do Lollapalooza

Vai demorar para tudo voltar ao normal – se é que existe um “normal” para voltarmos.

  Paulo C. Góis    sexta-feira, 17 de julho de 2020

Reprodução/Internet

Marc Geiger, até recentemente o diretor de música da WME e um dos fundadores do Lollapalooza, não espera

Questionado no The Bob Lefsetz Podcast quando espera que os shows retornem, Geiger disse: “Meu palpite é para o fim de 2021, provavelmente 2022”.

O executivo da música elaborou:

“Veja, a coisa toda é um problemão. Seja os testes ou o governo, é um poço muito fundo. Mas, na minha humilde opinião, vai ser 2022. Vai demorar muito para que o que eu chamo de ‘economia de germafobia’ seja morta lentamente e seja substituída pelo que eu chamo de ‘economia de claustrofobia’, que é onde todos querem sair e voltar para jantar e ter a vida, e ir a festivais e ir a shows.

E meu instinto é que isso vai demorar um pouco, porque, como você pode ver, esses eventos super espalhadores – esportes, shows, festivais, qualquer coisa, a sala de aula – não se sairão muito bem enquanto o vírus estiver presente.

Então, meu instinto é que o mundo tenha um tempo limite muito longo e forçado”, continuou Geiger. “Muitas pessoas veem os aspectos positivos, seja clima, poluição, tráfego, natureza, animais, animais, seres humanos e fazer uma pausa. E eu sei que é frustrante, enlouquecedor e economicamente destrutivo. Mas aahhh – isso é maior que nós, e se você estuda história, coisas assim aconteceram na história e foram super perturbadoras para a sociedade normal. Então, aqui está um grande momento para a nossa vida.”

As informações são da Variety.


Paulo C. Góis

Paulo C. Góis

Paulo Cesar Góis, tradutor e redator. Foi introduzido por Harry Potter no mundo nerd. Desde então devorou de Duna a Sandman, e usa a fantasia e a ficção científica para tornar o universo um pouco mais mágico.

Comentários