Notícias

Coronavírus | Netflix cria fundo de US$ 100 milhões para ajudar profissionais desempregados

“Essa comunidade tem apoiado a Netflix nos bons tempos e queremos ajudá-los nesses momentos difíceis”, disse o chefe de conteúdo Ted Sarandos.

  Paulo C. Góis    sexta-feira, 20 de março de 2020

A Netflix criou um fundo de assistência de US$ 100 milhões para ajudar os membros da comunidade criativa que ficaram desempregados e sem uma maneira de obter renda durante a crise do coronavírus.

“A crise do COVID-19 é devastadora para muitos setores, incluindo a comunidade criativa. Quase toda a produção de televisão e cinema já parou globalmente – deixando centenas de milhares de pessoas sem empregos”, disse o chefe de conteúdo da Netflix, Ted Sarandos, em comunicado. “Isso inclui eletricistas, carpinteiros e motoristas, muitos dos quais recebem salários por hora e trabalham de acordo com o projeto. Essa comunidade tem apoiado a Netflix nos bons tempos e queremos ajudá-los nesses momentos difíceis, especialmente enquanto os governos ainda estão descobrindo que apoio econômico eles fornecerão.”

A mudança ocorre quando a indústria do entretenimento luta com o desemprego em massa. Cerca de 120.000 trabalhadores do audiovisual perderam o emprego desde que a taxa de infecção começou a aumentar e a produção parou.

Guildas e sindicatos como o IATSE e o SAG-AFTRA têm pressionado os governos federal e local por ajuda, pois seus membros enfrentam uma dura realidade econômica.

Além disso, US$ 15 milhões do fundo da Netflix serão destinados a terceiros e organizações sem fins lucrativos que oferecem ajuda de emergência a equipes desempregadas e serão lançadas em países onde há uma grande base de produção.

Desse modo, a Netflix informou que doará US$ 1 milhão cada para o Fundo de Desastres SAG-AFTRA COVID-19, o Fundo para Cinema e Televisão e o Fundo de Atores para Assistência de Emergência nos EUA, bem como US$ 1 milhão entre a AFC e a Fondation des Artistes.

Sarandos disse que a empresa também está trabalhando com organizações do setor para reforçar os esforços de ajuda na Europa, América Latina e Ásia, onde muitos de seus filmes e programas são gravados.

A Netflix também analisará os projetos em produção quando as filmagens foram suspensas para determinar se vários membros da equipe e trabalhadores precisam de assistência.

“O que está acontecendo é sem precedentes”, disse Sarandos. “Somos tão fortes quanto as pessoas com quem trabalhamos e a Netflix tem a sorte de poder ajudar os mais atingidos em nosso setor nesse período desafiador.”


Paulo C. Góis

Paulo C. Góis

Paulo Cesar Góis, tradutor e redator. Foi introduzido por Harry Potter no mundo nerd. Desde então devorou de Duna a Sandman, e usa a fantasia e a ficção científica para tornar o universo um pouco mais mágico.

Comentários