Críticas

Crítica | O Escândalo: trio principal dá show de atuação em história de abuso sexual

O Escândalo estreia dia 16 de janeiro nos cinemas brasileiros.

  Pedro Borges    domingo, 12 de janeiro de 2020

Novo filme com grandes nomes do cinema tem performances excelentes, tema complexo e impactante, porém peca ao apressar o final da história.

O Escândalo conta a história da queda do ex-CEO da Fox News, Roger Alies, que é denunciado pelas jornalistas da empresa de cometer abuso e assédio sexual, em um retrato real dos fatos.

O filme já acerta quando ele lista a ocorrência dos fatos das personagens dando espaço para cada uma narrar a sua própria história, dando uma dinâmica melhor para o retrato. Mesmo com tempos de telas distintos, as 3 personagens principais têm seu tempo para contar sua trajetória e os seus acontecimentos, sem uma atrapalhar a outra.

A narrativa acrescenta – mesmo tendo um ênfase maior na denúncia à Fox News – mostrando o embate entre o Donald Trump – que na linha temporal do filme está concorrendo à presidência dos EUA – e a Megyn Kelly, interpretada brilhantemente pela Charlize Theron – de quem falaremos posteriormente.

Todo caos que uma grande corporação televisiva é fielmente apresentada ao telespectador, mostrando como as mulheres são oprimidas por apenas serem mulheres e a opressão que elas recebem ao trabalho.

As atuações desse filme fazem jus as indicações que as atrizes vêm recebendo – com excessão da Nicole Kidman. É uma pena não ver Kidman concorrendo em prêmios por conta de seu papel pois, querendo ou não, os atos de sua personagem ditam os futuros atos do filme, sua coragem em enfrentar o sistema, encoraja as demais a fazerem o mesmo.

A caracterização da Charlize Theron como Megyn está surreal, sua voz potente e sua aparência, estão bem parecidas comparadas à verdadeira jornalista, fazendo jus à todo reconhecimento que a atriz vem recebendo acerca de seu papel. Se não fosse uma temporada disputadíssima, certamente Charlize sairia com algum prêmio em suas mãos.

Margot Robbie faz jus ao porque ela está sendo indicada em diversos prêmios por sua atuação nesse filme. A atriz mostra toda a ambição de uma jornalista que quer ascender na carreira e ao mesmo tempo em que se arrepende ao cair na realidade, percebendo que nem tudo são mil maravilhas.

É notório que o ato final é apressado, as soluções propostas podem confundir o telespectador, pois são tantas coisas e em tão pouco tempo em tela. O tema do abuso e assédio sexual poderia ter sido bem melhor trabalhado, sendo substituído facilmente pelas piadas presentes no filme ou até mesmo acrescentando 10/15 minutos a mais.

O Escândalo tem uma performance de altíssimo nível oriunda das 3 protagonistas, mostrando o porque estão sendo reconhecidas nas premiações, porém pecando em ter um ato final apressado e com tanta coisa em tela em um curto período de tempo.


Pedro Borges

Pedro Borges

Pedro Borges, viciado em filmes, nerd desde criança e escrever sobre esses assuntos é o que eu mais gosto de fazer.

Comentários