Críticas

Crítica | Esquadrão 6 é um Transformers sem os robôs alienígenas

Esquadrão 6 já está disponível na Netflix.

  Pedro Borges    sábado, 14 de dezembro de 2019

Quando se fala em um filme dirigido e produzido por Michael Bay, a primeira coisa que vem a cabeça é filme de explosão com ação a todo momento e bom, Esquadrão 6 segue exatamente esse rumo.

Na trama, Um (Ryan Reynolds) é um bilionário que forja a sua própria morte, reúne um grupo de pessoas para derrubar um ditador cruel, numa aventura com muita explosão e sangue.

O filme já começa com ação a mil por hora, com uma cena de perseguição com o toque do diretor, ou seja, capota um carro e tem uma mega explosão, do mais estilo Bay possível.

Podemos dizer que as únicas diferenças que esse filme tem para os da saga Transformers é que não tem robôs alienígenas e muito, mais muito sangue e cenas pesadas. A forma de contar a história, o início, meio e fim dela, se assimila muito ao que vimos nos 5 filmes da saga Transformers, só que dessa vez quem comanda o protagonismo é o Ryan Reynolds.

O roteiro como um todo é bem bagunçado, a história persiste em manter ação durante suas 2 horas, abusando das cenas completamente absurdas e com muita explosão propostas por Bay, tentando e falhando ao mesmo tempo, colocar um drama para tentar uma empatia com o grupo protagonista.

Além dos absurdos promovidos pelo diretor, neste longa também há certos furos de roteiro, como por exemplo na cena de perseguição que vimos no 1° ato do filme. Um retrovisor é mostrado sendo quebrado em câmera lenta em uma cena, sendo que segundos depois, ele aparece novinho em folha, erros como esse persistem durante o filme, fazendo-o ser ainda mais problemático do que já é.

Mesmo com diversas falhas, Esquadrão 6 também possui algum acerto em cheio: a trilha sonora. As músicas dão um nível que a cena exige, no mesmo estilo de Velozes e Furiosos, seja nas cenas de perseguição, seja na cena de luta e tensão.

Por fim, Esquadrão 6 pode ser considerado um Transformers sem os robôs alienígenas e com Ryan Reynolds. A história em que a forma é contada segue a mesma linha da outra franquia do diretor Michael Bay, com muita explosão e cheio de ação.


Pedro Borges

Pedro Borges

Pedro Borges, viciado em filmes, nerd desde criança e escrever sobre esses assuntos é o que eu mais gosto de fazer.

Comentários