Séries & TV

The Witcher | Série da Netflix terá nudez, sexo e magia, segundo produtora

The Witcher chega à Netflix no dia 20 de dezembro.

  Vitor Cayres    domingo, 03 de novembro de 2019

A Netflix liberou na última quinta-feira o trailer de sua mais nova produção, The Witcher, que terá Henry Cavill no papel principal. Com isso, a  a showrunner da produção, Lauren Schmidt Hissrich, contou em uma entrevista à revista Variety que podemos esperar nudez, sexo e magia na série.

“The Witcher é um programa para adultos. Com a TV a cabo e agora em streaming, você pode dizer quase qualquer coisa, pode ver quase qualquer coisa, pode fazer quase qualquer coisa”, disse Hissrich, dando o tom mais pesado que a série deve ter.

O interessante [para mim] não é confiar nisso como muleta. O público é realmente experiente. Eles não precisam ficar chocados. Eles estão procurando uma boa história. Então, sempre que abordo sexualidade, entre personagens ou nudez, penso: isso tem uma função para a nossa história? Isso faz alguma coisa para o nosso personagem? Estamos procurando ter um personagem mais vulnerável neste momento? Estamos procurando reunir dois personagens para fazer sexo porque eles se amam e estão prestes a mudar a direção da vida um do outro? Eu sempre volto à história e ao personagem, e se isso não tem nada a ver, não precisamos”, completa a showrunner.

Lauren também comentou como foi a escolha dos diretores da série:

O que eu procurava era uma compreensão da fantasia e uma compreensão do horror. Essas foram as duas grandes coisas. E o horror meio que veio como algo inesperado. Eu precisava de pessoas apaixonadas por esse gênero e que não tivessem medo de pressionar os limites”, contou.

Para mim, a maior coisa era a capacidade deles trabalharem com os atores. Mesmo que você retire a magia, a violência, o sexo e o sangue, então você tem três pessoas realmente quebradas. E para mim os diretores tinham que poder entrar e trabalhar com Henry [Cavill] e trabalhar com Anya Chalotra e Freya Allan e tirar todas as fantasias, tudo isso, e apenas lidar com elas como seres humanos que estão com medo e tentando encontrar um caminho”, conclui a produtora.

Por último, a produtora foi questionada sobre as diferenças entre a nova série da Netflix e Game of Thrones, da HBO.

“Uma das coisas divertidas que temos em The Witcher é que não se baseia em nenhum momento histórico. A maioria das fantasias é pensada como medieval. Mas ela acontece em uma época desconhecida e em um lugar desconhecido. A outra coisa importante em termos de história em que diferimos é que estamos mergulhando muito mais no místico. Há mágica e há monstros. Acho que, por um longo tempo, a televisão não tinha um orçamento para realmente lidar com monstros. Porque é uma mistura muito inteligente de próteses e também de computação gráfica. E isso era algo realmente reservado para longas-metragens. Geralt é um caçador de monstros, então não podemos ter uma série sem monstros. A outra coisa é mágica. Meus filhos são grandes fãs de Harry Potter, e a magia é uma grande parte da fantasia”, explicou Hissrich.

The Witcher chega à Netflix no dia 20 de dezembro.


Vitor Cayres

Vitor Cayres

Fundador, formado em Publicidade e Propaganda, paulista e, enquanto não consegue ir para Marte, acredita que um dia teremos respostas sobre as origens dos Aliens.

Comentários