Cultura

Bolsonaro transfere Secretaria da Cultura e quer filho de R.R. Soares comandando a pasta

O órgão, criado após a extinção do Ministério da Cultura, ficava no Ministério da Cidadania e agora irá para o Turismo.

  Paulo C. Góis    quinta-feira, 07 de novembro de 2019

O futuro da produção cultural no país ainda é bastante incerto.

Após a extinção do Ministério da Cultura no início do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a pasta foi diminuída para uma sub-seção chamada Secretaria da Cultura.

A pasta foi alocada até então no Ministério da Cidadania, mas agora o presidente decidiu transferi-la para o Ministério do Turismo, comandado por Marcelo Álvaro Antônio.

Com a mudança, portanto, o Ministério do Turismo fica encarregado da política nacional de cultura; regulação dos direitos autorais; proteção do patrimônio histórico, artístico e cultural brasileiro; preservar em conjunto com o Ministério da Agricultura a identidade cultural de comunidades indígenas e quilombolas; desenvolvimento de acessibilidade cultural e de museus.

Um dos maiores cotados para assumir o comando da Secretaria de Cultura é o deputado federal Marcos Soares (DEM-RJ), filho do pastor R.R. Soares, que apresenta o programa Show da Fé.

A informação foi confirmada pelo porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, em entrevista na última quarta-feira (5).

“É um dos nomes que estão sob escrutínio por parte do senhor presidente da República e muito em breve ele fará por meio do ministério [a] que couber a Cultura a informação oficial.”

Cabe lembrar que a atual gestão já tentou censurar a produção de obras audiovisuais com temática LGBT através de recursos da Ancine e foi impedida pela Justiça.


Paulo C. Góis

Paulo C. Góis

Paulo Cesar Góis, tradutor e redator. Foi introduzido por Harry Potter no mundo nerd. Desde então devorou de Duna a Sandman, e usa a fantasia e a ficção científica para tornar o universo um pouco mais mágico.

Comentários

Relacionados