Filmes

“Talvez você só seja insensível”, diz Marc Maron após reclamações do diretor de ‘Coringa’

Vixe… então tá dado o recado.

  Paulo C. Góis    terça-feira, 08 de outubro de 2019

O novo filme solo do Coringa está gerando bastante polêmica, mas essa em específico não tem muito a ver com a questão.

Acontece que o diretor do longa, Todd Phillips – que também foi a mente por trás de ‘Se Beber Não Case‘ – culpou em recente entrevista a “cultura da lacração” pelo fato de não “poder mais fazer comédias”.

“Vai tentar ser engraçado hoje em dia. Existem artigos sobre por que as comédias não funcionam mais – eu vou te dizer, é porque todos os caras engraçados estão: ‘Fod*-se essa merda, eu não quero ofender você’.”

E quem respondeu o diretor foi Marc Maron, um comediante de stand-up, escritor e ator que inclusive trabalhou em Coringa como o produtor do personagem de Robert De Niro, Murray Franklin. Em seu programa ‘WTF podcast‘, ele não poupou Phillips:

“Existem várias pessoas sendo engraçadas agora mesmo. Não apenas sendo engraçadas, mas sendo f*didamente engraçadas. Ainda existem piadas a serem feitas. Se você quer fazer uma, você pode. Se você quer ser desafiador, você pode. Realmente, a única coisa de fora da mesa, culturalmente, nessa conjuntura – e nem mesmo inteiramente – é atirar sem vergonha nenhuma pela alegria de machucar pessoas. Pela excitação e gargalhada que algumas pessoas tiram de causar dor aos outros, de deixar as pessoas desconfortáveis, de fazer as pessoas se sentirem excluídas. Você sabe, esse tipo de empolgação.

Como eu disse, não é desculpa nenhuma. Se você está muito intimidado para tentar fazer comédia que é profunda e provocativa, ou mesmo um pouco controversa, sem machucar pessoas, então você não é bom no que faz. Ou talvez você seja apenas insensível.”

Vixe… então tá dado o recado.

Coringa já está em exibição nos cinemas nacionais.


Paulo C. Góis

Paulo C. Góis

Paulo Cesar Góis, tradutor e redator. Foi introduzido por Harry Potter no mundo nerd. Desde então devorou de Duna a Sandman, e usa a fantasia e a ficção científica para tornar o universo um pouco mais mágico.

Comentários