,

Conheça a Aústria clássica de Freud e Schönberg no game “The Lion’s Song”

Vencedor na categoria de melhor narrativa no Independent Games Festival de 2017

The Lion’s Song é um game indie produzido pelos estúdios Mi’pu’mi e LeafThief com uma proposta diferente da maioria dos games da categoria e oferece além da belíssima ambientação na Áustria do século XIX, uma instigante história de mistério que envolve até mesmo famosas personalidades austríacas, uma delas é o pai da psicanálise Sigmund Freud e o físico Schrödinger, criador da teoria do “Gato de Schrödinger”.

Segundo os criadores, a narrativa aborda as relações sociais e os conflitos internos de cada indivíduo em busca da criatividade e de suas realizações pessoais. Este, portanto, se apresenta como o primeiro capítulo da série.

The Lion’s Song: Episode 1 — Silence gira em torno da história de Wilma, uma talentosa musicista que havia sido convidada por seu professor, Arthur, a compor e tocar sua nova obra em Viena. Apesar dele estar convencido de que ela fará uma grande apresentação, Wilma luta contra o bloqueio criativo que a impede de produzir a composição que definirá seu futuro. Para ajudá-la, Arthur sugere sua solitária cabana nos alpes suíços que servia como um espaço isolado para inspiração, mas este refúgio em meio a contínuas tempestades e situado nas altas montanhas trará mais coisas além da inspiração, e é a partir daí que a história começa a desenrolar. Cada escolha que o jogador faz trará impactos na linha do tempo de todos os outros episódios e determina se a protagonista encontrará sucesso naquilo que está trabalhando.

O jogo é fluído e dinâmico, existe um grande contexto onde o jogador precisa se envolver para tomar as decisões da personagem, apesar de aparentar simples, não perde a qualidade. A arte em pixels feita por Natascha Pittauer e as animações em gif de Tobias Mayr são bonitas e acompanham a delicadeza do enredo. A ambientação em Áustria e Viena faz o jogador se transpor a estes cenários.

Aos amantes de música clássica a história é encantadora. São poucas as vezes que vemos jogos indie com o contexto musical tão específico quanto este, o que trouxe pontos positivos para a produtora.

TRILHA SONORA É A PEÇA CHAVE DE TUDO, já que para ajudar Wilma em sua nova composição o player combina acordes em cada escolha durante todo o jogo — o que gera uma surpresa ainda maior do que sairá no resultado final.

O jogo é dividido em 4 capítulos: Silêncio, Antologia, Derivação e Encerramento. Se visto com mais atenção, perceberá que os nomes destes capítulos são as fases de um concerto do início ao fim. Cada capítulo visa a história de um personagem e são disponibilizadas como DLC’s do primeiro capítulo, que é gratuito.

O jogo se passa na Aústria porque foi produzido lá, mais precisamente em Hollandstraße, um dos bairros da capital Viena. Os produtores são alemães e austríacos, o que explica toda a descrição poética do lugar feita por Wilma, Leon e outros personagens.

Traduzindo em miúdos, o player vivencia o vazio criativo de quem trabalha com música, tem prazos de entrega e alguns fatores que bloqueiam a criatividade. O jogador é conduzido pela música clássica.

A jogabilidade é bastante simples e intuitiva – como todos point-and-clicks, as escolhas que você toma nos diálogos tem alguma influência, a mesma pode se tornar um pouco cansativa caso não goste muito de jogos do gênero. O game conta com 63 conquistas Steam, cartas colecionáveis e, fora os achievements, três prêmios:

  • Melhor game na categoria de melhores narrativas no Independent Games Festival (2017)
  • Jogo do ano no Futurezone Award (2016)
  • Melhor game indie na premiação de desenvolvedores da Alemanha (2016)

* A versão gratuita libera apenas o primeiro capítulo do jogo “Silence” que é onde nos é apresentada a personagem Wilma e sua mudança para a casa nos alpes austríacos. Após terminar este capítulo é preciso que o jogador compre o Season Pass (um DLC que irá liberar para a próxima fase “Derivation”) por R$ 31.

Escrito por Amanda Santos

Colaboradora, 23 anos, jornalista especializada em e-sports, ao qual dedicou sua monografia e atualmente desenvolve sua pós-graduação. Locutora comercial nos freelas - antes se aventurou como comentarista em campeonatos amadores de LoL. Sommelier de jogos da Steam, doramas, animes e mangás dos anos 80.

Carregando...

Globo de Ouro 2018: Confira os vencedores!

Crítica | “O Touro Ferdinando” pode até ser clichê, mas irá divertir e comover seu público