Críticas

Crítica | Alien: Covenant acaba deixando qualquer fã frustrado por ser mais uma vez traído

Esse novo filme acaba deixando qualquer fã frustrado por mais uma vez ser traído pelas expectativas cridas por Ridley Scott.

  Vitor Cayres    quarta-feira, 10 de Maio de 2017

Quando o diretor Ridley Scott resolveu voltar com a franquia Alien aos cinemas em 2012, com Prometheus, os fãs ficaram muito ansiosos para voltar a ver mais sobre a história do xenormorfo.

Porém, o filme chegou trazendo mais dúvidas, praticamente deixando o público mais fiel sem respostas, e abordando um tema mais filosófico e espiritual, o que acabou não agradando muito.

Mas agora, em Alien: Covenant, Scott promete respondem a perguntas deixadas em Prometheus e também trazer de volta o “espirito” dos outros filmes estrelados por Sigourney Weaver.

No longa, uma nave chamada Covenant, que transporta milhares de colonos para um novo planeta à ser povoado, sofre uma tempestade de neutrinos e, com isso, seus tripulantes acordam e descobrem um outro planeta, bem mais próximo do destino original, e decidem explorar o lugar. Uma vez neste local, eles são atacados por criaturas estranhas e encontram com o androide David (Michael Fassbender), que foi um dos “sobreviventes” de Prometheus, e que agora vive neste planeta.

É nesse ponto de partida da história de Covenat, que o novo Alien se parece com seus antecessores. O novo filme, tem muitos elementos de Alien – O Oitavo Passageiro e Aliens (dirigido por James Cameron), além de elementos do próprio Prometheus.

Alíens: Covenant é uma espécie de sequeência de Prometheus, mas também serve como prequência do primeiro Alien, que, segundo Scott, só vermos as histórias se conectando daqui dois filmes ainda.

Diferente de Prometheus, o marketing desse novo filme quis e até conseguiu esconder muita coisa do que a história do filme nos apresente. Durante várias entrevistas o diretor deixou claro que nesse novo longa veríamos uma heroína, aqui interpretada pela atriz Katherine Waterston, forte e densa, algo próximo a personagem Ripley – no entanto durante toda a história a personagem não chega aos pés dela.

Também temos um elenco formado por Billy Crudup, Danny McBride, Demián Bichir, que tem seus personagens pouco explorado e, em muitas vezes, estão presente com diálogos praticamente rasos e sem importância para o filme.

James Franco também é um nome de peso no elenco, no entanto, sua aparição está mais presente nos trailers e prólogos divulgados do que exatamente no filme. Franco é mais uma figuração de luxo, e talvez um potencial desperdiçado pelos roteiristas.

O filme tem a mesma pegada do primeiro Alien, que nos leva por quase 50 minutos de suspense, mostrando a tripulação e seu convívio, antes de entregar as cenas de ação e terror. Cenas essas que em muitos pontos são tensas, sangrentas e asquerosas.

Quando o filme chega ao meio do segundo ato para o terceiro, ai começam a costurar algumas coisas deixadas pendentes em Prometheus, buscando responder algumas perguntas como: Quem são os Aliens? De onde eles vieram? Quem os criou?, mas acaba se perdendo na filosofia já iniciada antes: Quem nos criou? Como seria se estivéssemos na frente de nosso criador?

Alien: Covenant é melhor que seu antecessor, mas não chega perto do que foi Alien – O Oitavo Passageiro, com um terror e suspense, e muito menos perto da ação e filme de guerra de Aliens, de Cameron.

Esse novo filme acaba deixando qualquer fã frustrado por mais uma vez ser traído pelas expectativas cridas por Ridley Scott, que parece não saber muito bem lidar com o que criou em 1979.

Talvez a criação de Ridley não seria digna de continuar em suas mãos. Talvez Ridley não conhece direito o potencial de sua criatura, que foi sendo aprimorada por outros diretores. Talvez o Alien seja uma espécie de David, que possa acabar com Ridley, assim como o adoide tanta fazer com o senhor Peter Weyland.


Vitor Cayres

Vitor Cayres

Fundador, formado em Publicidade e Propaganda, paulista e, enquanto não consegue ir para Marte, acredita que um dia teremos respostas sobre as origens dos Aliens.

Comentários