Anime & Mangá

OPINIÃO | Death Note e a versão hollywoodiana

Será no mínimo curioso poder ver essa adaptação americana para uma obra consagrada japonesa.

  Rodrigo José    segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Os fãs de animes ficaram agitados desde que foi feito o anúncio da produção americana do aclamado anime Death Note, obra de Tsugumi Oba e Takeshi Obata. A obra, que já possuía versão Live Action Japonesa, agora passará a contar, também, com uma produção americana. Confesso que, de início, a ideia me pareceu um tanto estranha, ter um anime transformado em filme por uma produtora americana. Porém, com o desenrolar das informações, a ideia foi me parecendo realmente muito boa, e abaixo digo o porquê.

Primeiramente, posso dizer que a informação que me fez ficar animado por assistir essa produção foi a confirmação da participação do ator Willem Dafoe Jr., que cederá sua voz para o Shinigami Ryuk. Ainda que seja só voz, não teria pessoa melhor para este papel, visto que até a cara de psicopata de Dafoe é bem algo que lembra ao Shinigami.

Segundo, posso dizer que não sou dos mais fãs das produções Live Action japonesas, pelo fato de, na maioria das obras, os atores não interpretarem lá muito bem (creio que quem assistiu o Live Action de Detroit Metal City vai me entender). Então, ver atores que, de certa forma, tem uma boa visibilidade no mercado, como são os casos de Dafoe Jr. (Shinigami Ryuk) que fez uma participação incrível no papel de Duende Verde em “Homem Aranha” e tantos outros grandes filmes; Nat Wolff (Light Yagami) que participou de “A culpa é das estrelas”, Shea Whigham (Soichiro Yagami) que participou do seriado Agent Carter, entre outros bons atores, dá a esperança de que a produção será, no mínimo, bem representada.

Por fim, podemos citar o diretor, Adam Wingard, que dirigiu, entre outras grandes produções, obras como A Bruxa de Blair (2016), O Hóspede (2014), e V/H/S 1 e 2, como uma esperança de que, também na direção, podemos esperar grandes feitos.

Será no mínimo curioso poder ver essa adaptação americana para uma obra consagrada japonesa. É esperar e ver como vai ser. E vocês, estão animados?


Rodrigo José

Rodrigo José

Colaborador, administrador, escritor e pai. Trabalha atualmente em empresa de consultoria em meio ambiente, também colunista em site de música underground (Elegia e Canto) e tenta conciliar o que resta do tempo entre assistir animes e séries.

Comentários